Com a CVO vamos reduzir a quantidade de resíduos a depositar em aterro, recuperar materiais para reciclagem, produzir eletricidade e composto corretivo de solos.

A nossa CVO tem capacidade para valorizar ao longo de um ano, 20.000 toneladas de resíduos urbanos biodegradáveis (RUB), obtidos a partir de tratamento mecânico de cerca de 43.000 toneladas de resíduos urbanos (RU) recolhidos indiferenciadamente. Os RUB são tratados por digestão anaeróbia, produzindo-se o composto e o biogás, o qual é valorizado energeticamente injetando na rede elétrica a energia produzida.

Propomo-nos a respeitar e garantir a segurança e bem-estar da população vizinha, controlando de forma eficaz e exigente o impacte visual da estrutura, sua segurança e eventuais odores, ruídos e efluentes líquidos.

 

PRODUÇÃO DE ELETRICIDADE NA CENTRAL DE VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA.

Ao consumir a nossa energia que é renovável, estamos a contribuir para a redução de dependência de produtos petrolíferos e para a diminuição de emissão de gases com efeito de estufa.

 

COMPOSTO ORGÂNICO

Solos naturalmente saudáveis.

Após a digestão, os resíduos biodegradáveis são encaminhados para um processo de compostagem e aturação, resultando num composto orgânico corretor de solos. Ao utilizar este composto como substrato e fertilizante, estamos a diminuir o uso de substâncias químicas ou sintéticas prejudiciais aos solos. Ao potenciar o enriquecimento dos solos com substrato orgânico, estamos a contribuir para um solo saudável, prolongando o equilíbrio natural do mesmo.

 

RECICLÁVEIS

Na fração superior a 80mm separada, são triados os resíduos de embalagem e outros que posteriormente são enviados para valorização, completando-se o ciclo da reciclagem.

 

CDR – Combustível Derivado de Resíduos.

A fração superior a 80mm possui resíduos não recicláveis, mas com potencial para produção de energia. A Suldouro procura soluções no mercado para utilizar estes resíduos na produção de CDR. O uso de Combustíveis Derivados de Resíduos permite uma significativa redução de emissões de CO2. Portugal tem já um mercado consumidor de CDR a iniciar-se. Cimenteiras, centrais termo elétricas, indústria de pasta e papel, cerâmicas são alguns exemplos de indústrias que podem beneficiar do uso dos CDR.